116 - Por que a Educação ainda não foi prioridade em 2016? (Parte 2)

Educar é uma tarefa que nunca foi fácil no Brasil. Como é possível ser professor no ensino público, transmitir conhecimento e ainda desenvolver o potencial máximo de seus alunos em uma sala super lotada, com estrutura deficiente e com todo o sistema "trabalhando" contra você?

Quando voltamos nossos olhares para as instituições particulares o problema não fica menor. Também há deficiências no sistema, além do custo financeiro para os pais, que se veem obrigados a matricular os filhos em colégios particulares para que consigam mais condições para pleitear oportunidades nos vestibulares da vida.

Vestibulares esses que, aliás, também são formas deficientes de avaliação e que tornam o ensino médio uma etapa de tensão e de disputa para alcançar o melhor lugar possível no ensino superior.

No ano de 2016 todos esses cenários citados continuaram existindo, mas as perspectivas de futuro foram afetadas com a discussão de várias medidas impopulares para uma grande parte da população.

Reforma do Ensino Médio, do ENEM, PEC 241, discussão sobre ensino de ideologia de gênero e Escola Sem Partido foram algumas das pautas que estiveram em discussão neste ano. Além disso, a valorização dos profissionais da educação também não foi a ideal e os estudantes insatisfeitos fizeram das escolas o palco para suas reivindicações.

Neste episódio trouxemos professores de regiões diferentes do país para falar de educação, das reviravoltas que ocorreram em 2016 e sobre o que esperar para os próximos anos. Então, prepare-se para um debate acalorado com o ponto de vista importantíssimo justamente de quem não foi consultado para todas as mudanças no ensino: os nossos amados mestres. Escolham suas carteiras, preparem as canetas azul e preta, lápis A4 e grafite 0.5 e vamos voltar nossos olhares para a educação, nesse PQPCAST!


Podcasts convidados


Referências - podcasts


Referências - matérias


Assine nosso Feed

Twitter

[FaceBook]

[Instagram]

[ello]

115 - Por que a Educação ainda não foi prioridade em 2016? (Parte 1)

Educar é uma tarefa que nunca foi fácil no Brasil. Como é possível ser professor no ensino público, transmitir conhecimento e ainda desenvolver o potencial máximo de seus alunos em uma sala super lotada, com estrutura deficiente e com todo o sistema "trabalhando" contra você?

Quando voltamos nossos olhares para as instituições particulares o problema não fica menor. Também há deficiências no sistema, além do custo financeiro para os pais, que se veem obrigados a matricular os filhos em colégios particulares para que consigam mais condições para pleitear oportunidades nos vestibulares da vida.

Vestibulares esses que, aliás, também são formas deficientes de avaliação e que tornam o ensino médio uma etapa de tensão e de disputa para alcançar o melhor lugar possível no ensino superior.

No ano de 2016 todos esses cenários citados continuaram existindo, mas as perspectivas de futuro foram afetadas com a discussão de várias medidas impopulares para uma grande parte da população.

Reforma do Ensino Médio, do ENEM, PEC 241, discussão sobre ensino de ideologia de gênero e Escola Sem Partido foram algumas das pautas que estiveram em discussão neste ano. Além disso, a valorização dos profissionais da educação também não foi a ideal e os estudantes insatisfeitos fizeram das escolas o palco para suas reivindicações.

Neste episódio trouxemos professores de regiões diferentes do país para falar de educação, das reviravoltas que ocorreram em 2016 e sobre o que esperar para os próximos anos. Então, prepare-se para um debate acalorado com o ponto de vista importantíssimo justamente de quem não foi consultado para todas as mudanças no ensino: os nossos amados mestres. Escolham suas carteiras, preparem as canetas azul e preta, lápis A4 e grafite 0.5 e vamos voltar nossos olhares para a educação, nesse PQPCAST!


Podcasts convidados


Referências - podcasts


Referências - matérias


Assine nosso Feed

Twitter

[FaceBook]

[Instagram]

[ello]

68 - Por Que 2015 Não Foi da Educação?

e68.jpg

O ano está acabando, mas a educação está nos jornais como se ainda fosse Janeiro. 2015 começou com professores protestando no Sul do País, e termina com os estudantes ocupando escolas no Sudeste.

Educar é um dever do estado. É verdade que com os acontecimentos recentes o estado brasileiro tem educado com balas de borracha. Mas pra que serve essa tal educação? Um professor é um capanga do Ministério da Cultura ou um artesão de pequenos seres humanos?

O fato é, os jovens do estado de São Paulo deram a sua mensagem. O Governador tentou fechar e reorganizar de forma forçada dezenas de escolas no estado. Mas em protesto quase 200 escolas foram ocupadas por alunos.

O grande PlorTwist dessa história é que não foram 200 escolas ocupadas. E nem todas que foram ocupadas, foram por alunos. O Governador encerrou essa história dizendo que era ‘política.’ Acontece, que esse não é o fim da conversa, mas sim, o começo.

No PQPCast dessa semana a gente vai discutir educação. A gente vai tentar entender o papel do professor em uma escola ocupada. Vamos também tentar ver porque uma ocupação é política E também como funciona. Prepare os seu colchonete e pão com mortadela, que agora é hora de ocupar o seu fone de ouvido no PQPCast.


Twitters:


Podcasts:

-Leitor Cabuloso

-GroundCast


Assine nosso Feed

Twitter:

FaceBook

Instagram

ello

48 - Por Que Animação Não é Coisa de Criança?

Animação NÃO é coisa de criança. Elas possuem tramas complexas, com linhas tênues que abordam temas mais adultos, como violência, drogas, ciência ou metafísica assim como nos desenhos animados de Ralph Banski ou Sylvain Chomet.

Animação NÃO é coisa de criança. Mesmo quando abordam temas mais leves, algumas escolhas no movimento de câmera e fotografia ou nas escolhas das palavras servem como uma piscadinha do diretor aos adultos dizendo: “presta bastante atenção que eu vou te divertir”. Alguns exemplos são os famosos filmes da Pixar e Dreamworks.

Mas mais importante, animação NÃO é coisa de criança, porque quem somos nós pra dizer o que vc deve ou não assistir? Bob Esponja e My Little Poney são sensações entre adultos, enquanto animações como “Até que a Sbórnia nos separe” ou Cassiopéia são esquecidas.

No episódio de hoje, nós vamos dar dicas de como curtir desenhos animados. Não porque eles são ou não são coisas de criança, mas porque são feitos por adultos que têm algo a dizer. Pegue carona na nave do Buzz Lightyear em companhia com o Wall-e enquanto você ouve o PQPCast.


Ajude o CabulosoCast a continuar sendo o melhor e maior podcast de literatudra do Brasil contribuindo para seu Kickante.

CabulosoCast Explicando seu Kickante.

CabulosoCast explicando sua situação.


Animação brasileira foge do padrão Disney e batalha para ser visto


Assine nosso Feed

Twitter:

FaceBook

Instagram

ello


Por Que Fugir ou não Fugir de Spoilers dos Vingadores? - com Lucien, o Bibliotecario

e14linha copy.jpg

Spoilers são revelações de momentos importantes em qualquer história. Popular em filmes, séries e até novelas, os spoilers são algumas vezes usados como material de chantagem entre amigos, e algumas vezes motivos para bloquear em redes sócias aquele conhecido que insiste em postar fotos e mentes de spoilers.

O spoiler é o vilão da cultura pop moderna. Com os filme dos Vingadores chegando aos cinemas a vida em sociedade fica ameaçada até que o filme passe ao conhecimento comum da van guarda cultural.

Mas a pergunta que fica é 'Como sobreviver ao holocausto de expectativas causado por spoilers?

Nesse PQPCast a gente te ensina que spoilers podem aumentar a diversão de algumas obras e da dicas de como evitar o spoiler em outras.


Sugestões para começar no CabulosoCast


Assine nosso Feed

Twitter: @_pqpcast

FaceBook

Instagram

ello