44 - Por Que Reforma Politica?

Os protestos de 2013 deixaram os políticos em polvorosa. Com o gatilho puxado pelo aumento das tarifas no transporte público, as manifestações começaram com centenas de pessoas. A repressão que partiu das autoridades policiais e governamentais, atingindo até mesmo profissionais da mídia, foi o combustível para o movimento. O que eram centenas, passaram a ser milhares e os milhares passaram a ser milhões, tudo isso em poucos dias. Mas o que isso tem a ver com o tema de hoje?

Tudo! Essas pessoas que iam às ruas trouxeram, junto de si, suas próprias bandeiras e reivindicações. Cada uma a sua maneira. Unidos, mesmo por um pequeno período de tempo, pessoas de todas as classes e alinhamentos políticos tinham uma certeza, os políticos não estavam representando o povo. Sem organização as pessoas nas ruas gritavam suas reivindicações. A invasão do congresso nacional, e o cerco aos palácios governamentais acuavam e preocupavam as autoridades. Isso trazia a esperança de que os políticos ouvissem os gritos vindos das ruas. Rapidamente foram agendadas reuniões entre as autoridades e as medidas para uma reforma política começaram a ser discutidas.

Um ano se passou, em 2014 os protestos se diluíram e esfriaram. Por causa de um ano eleitoral e de uma Copa do Mundo o cenário político, apesar de ainda tenso, conseguiu se manter estável o suficiente para que muitas das autoridades acuadas se reelegessem, tanto em níveis estaduais quanto federal. A promessa de uma reforma política, apesar de abordada superficialmente durante a campanha, foi reforçada e todos tinham a esperança de que ela ocorresse de forma satisfatória. Mas satisfatória para quem? Nesse episódio vamos entender os pontos principais dessa "reforma", questionar o porquê dela e, principalmente, o que podemos esperar de tudo isso. Aperte PQPCast e confirme!


Resultado da Pesquisa que os ouvintes responderam.


Assine nosso Feed

Twitter:

FaceBook

Instagram

ello